sábado, 3 de outubro de 2009

Apocalipse.


Apaguem os astros do céu
Pintem de cinza o arco-íris
Que o mar recolha seus braços
Abram-se sulcos no chão
E as flores se fechem em botão

Faça-se silêncio
Calem o vento e as aves
Não se ouça vãs confissões

Ninguém se mova
Barcos, fiquem a deriva!
Aeronaves, não voem!

Que cada ser transpire emoção
Até que vaze de si a ira, o ódio e o rancor
Olhem-se nos olhos
Descubram o AMOR
plantado em ti pelo Pai.

03/10/09
Etelvina de Oliveira

3 comentários:

O Sibarita disse...

Ô porreta dona menina, poemão que toca no coração em todos os sentidos, o amor e o amar é isso, amar ao próximo como nos amamos ao Mestre Jesus, amar é também se entregar de copor e alma a (ao) companheira(o), né não? kkkkkk

Muito da bacana sua poesia, demais!

bjs
O Sibarita

Sthefanie disse...

Lindo poema...Parabéns gostei muito daqui !
bjin!

O Profeta disse...

...Às vezes uma intensa alucinação
Em que viajas pelo meu eu
Às vezes o mundo fica em espera
Da união do mar com o céu

Onde param os teus anseios
Onde encontras a sublime calma
Nestes dias de dura tormenta
Onde aqueces a tua alma?

Voa comigo...


Mágico beijo